Search

Cannabis trata candidíase SIM!

Updated: Mar 31

Se você estiver sentindo uma coceira pesada na PPK, daquelas de tirar o sono e ainda soltando corrimento branco com textura de queijo coalhado, fique calma. Você não está sozinha nessa. Vai dar tudo certo!


A chance é alta de você ter candidíase, infecção que deve atingir 75% das mulheres em algum momento da vida, conforme dados da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (Sogesp).


Quase metade desse grupo terá um segundo episódio e cerca de 5% sofrem de candidíase recorrente, quando há de quatro ou mais episódios por ano. Evidências científicas mostram que a cannabis pode ser uma aliada para diminuir a incidência.


Outros sintomas bem chatinhos são ardência na hora de fazer xixi e dor durante relação sexual.


O culpado dessa bad é o fungo Candida albicans, um ser que vive tranquilo e suave na nossa flora biológica. Sim, ele tá com a gente desde sempre.


Porém, basta a imunidade estar lá no chão somada a outros desequilíbrios no pH da vagina e nos hormônios para o estrago ser feito!


Nestas condições, o danado do Candida albicans prolifera igual doido, para desespero das nossas mãozinhas que não sossegam até coçar a PPK noite e dia!



DEFINIÇÃO

Um jeito direto de responder a pergunta “o que é candidíase” é dizer que se trata de uma infecção causada por fungos capaz de gerar muita coceira e pode se alastrar na vagina, na boca e outras mucosas do corpo tanto de mulheres quanto de homens.


O Candida albicans é o mesmo causador do sapinho, que é uma manifestação do fungo na região da boca, bastante comum em bebês. O aspecto é semelhante a aftas que surgem na língua e outros pontos da mucosa oral, caracterizada por supercrescimento de fungos, que fazem uma verdadeira “invasão” para lá de desagradável.



ORIGEM

A primeira vez que a candidíase oral foi citada remonta a 400 aC, no livro ‘Das Epidemias”, de Hipócrates. Mas foi em 1923 que o Candida Albicans ganhou este nome,

inspirado na expressão em latim “toga cândida”, que se refere à roupa branca usada pelos senadores romanos da antiga república romana, uma provável referência às bolinhas brancas típicas da manifestação no fungo tanto na boca quanto na vagina.



DOENÇA SEXUAMENTE TRANSMISSÍVEL?

E como pega candidíase? É uma doença sexualmente transmissível? Não! Não se pega candidíase, tá?! Candidíase não é DST porque é ocasionada por um fungo oportunista que existe no nosso corpo, é um tipo de micose.


Candidíase pega no vaso sanitário? A resposta é não, Mariaz, isso é pura lenda urbana.


Ok, então eu posso transar sem me preocupar com a candidíase? Sossega, Mariaz! De jeito nenhum!


Os fluidos trocados durante o sexo e o fungo já presente de forma excessiva em quem estiver com candidíase podem gerar um gatilho pesado para a outra pessoa e “irritar” o Candida albicans que estava suave na nave.


E quando a vulva está irritada, ela aumenta riscos para infecções virais, como HPV, herpes, HIV, hepatite, entre outras… Perigoso demais!


Lembre-se: a PPK é o habitat ideal para o sr. Albicans, pois é quente e molhada, ambiente perfeito para micro organismos crescerem. Por isso, a ocorrência da doença é maior quando se inicia a vida sexual.


DESEQUILÍBRIO

Mariaz que utilizam contraceptivos com estrogênio ou estão grávidas têm mais chances de ter candidíase, pois grandes alterações hormonais são um fator de risco.


Outros fatores de risco identificados são: níveis aumentados de estrogênio (pelo uso de contraceptivos orais, gravidez ou terapia hormonal), imunodepressão originária do HIV ou do uso de corticóides também agravam a situação, além do uso de de dispositivos contraceptivos como diafragma e DIU


TRATAMENTO

O tratamento da candidíase, a princípio, parece bem simples: pomadas, antimicóticos e. Dá para curar a candidíase em 1 dia. Não, Mariaz, é preciso paciência e abstinência sexual por tempo determinado pela médica. Para uma pequena parcela de mulheres (cerca de 5%) a infecção ocorre com frequência. Quando há de quatro ou mais episódios por ano, considera-se um caso de candidíase de recorrência. Para essas pacientes, o médico indicará um tratamento com medicamentos por uso mais prolongado.



CANNABIS CONTRA CANDIDÍASE

Artigos científicos sinalizam que a cannabis pode tratar a Candidíase de forma menos invasiva do que os alopáticos. Um dos graves efeitos colaterais dos remédios tradicionais é a ocorrência de cepas do fungo Candida Albicans cada vez mais resistentes.


Um dos maiores agravantes da doença é a capacidade do fungo aderir e se acumular em várias superfícies da pele, então, uma estratégia boa para tombar o fungo deve se concentrar no desenvolvimento de agentes que previnem a formação e erradicam o biofilme.



Eita, mas o que é biofilme? Olha, Mariaz, explicando de forma muuuuito simplificada, é como se fosse uma “casca” formada pelos agentes do fungo, que quanto maior e mais espessa, mais difícil é combatê-lo.


Quanto maior a capacidade de C. albicans de formar biofilme em superfícies de células de mamífero, maior é a virulência que estimula o progresso da infecção. O B.O. aumenta!


Numerosos compostos derivados da cannabis demonstraram enorme potencial para derrubar o Candida de diversas formas.


A cannabis inibe a transição de levedura para hifa, um estágio de amadurecimento do fungo, prejudica o metabolismo do fungo e também a capacidade de criar biofilme. Ou seja, usando cannabis o fungo tem dificuldade de crescer, fica com o metabolismo abalado e não consegue formar tão fácil a casquinha protetora que dificulta a ação de remédios.



Embora não haja estudos específicos sobre os efeitos do CBD na coceira, existem artigos científicos que mostram como os canabinóides podem ajudar a aliviar as condições da pele com coceira resultantes da candidíase da pele.


Em um estudo de 2019 publicado no Journal of Dermatological Treatment , os pesquisadores descobriram que os canabinóides demonstraram propriedades anti-inflamatórias e antipruriginosas (anti-coceira), tornando-se uma alternativa potencial aos tratamentos convencionais da pele. Ufa, dá um alívio só de ouvir!


As Mariaz sem doenças graves ​​que têm candidíase cutânea, candidíase ou infecções vaginais por fungos, as infecções por Candida podem muitas vezes ser remediadas com um tratamento curto ou mesmo com uma dose única de medicação antifúngica.


No entanto, em pessoas com um sistema imunológico fraco, portadores de doenças autoimunes como o HIV, as infecções por Candida podem ser difíceis de tratar e recorrem com frequência


Felizmente, vários estudos, como os mencionados anteriormente, revelam que o CBD possui propriedades anti-inflamatórias.


A maioria das doenças autoimunes são causadas por inflamação, e o CBD tende a ser muito útil no fortalecimento do sistema imunológico, diminuindo as ocorrências de infecções por Candida.


Segue uma lista de artigos científicos muito interessantes que abordam algumas questões que falamos aqui no texto com maior profundidade!


https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7924206/

https://bpspubs.onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/j.1476-5381.2011.01238.x

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/9721036/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2828614/




XÔ CANDIDÍASE!

Procure alimentar-se equilibradamente e levar vida saudável;

Evite o consumo de bebidas alcoólicas e não fume;

Use camisinha em todas as relações sexuais;

Não se descuide da higiene íntima;

Evite roupas justas demais e de material sintético;

Prefira o papel higiênico branco e sem perfume;

Não use absorventes internos;

Siga criteriosamente as recomendações de seu médico. Não suspenda o uso dos medicamentos sem sua recomendação QUER SABER MAIS?


Você sabia que o aparelho reprodutor feminino é cheio de receptores endocanabinóides?



Por isso, a Cannabis é a melhor amiga das mulheres para combater diversas patologias que tiram o sossego da saúde íntima, causando muito constrangimento e desconforto.



Para comemorar o Dia Internacional da Mulher, a Xah com Mariaz vai trazer durante todo o mês de março muita informação sobre o uso da Cannabis para a saúde feminina na estreia do Weed News - Viralizando Verdades da Cannabis.



O projeto utiliza animações aliadas aos recursos das “fake news” para viralizar notícias verdadeiras sobre os benefícios da Cannabis na saúde feminina. A ideia é originária de um TCC do Curso Livre de Cannabis Medicinal da UNIFESP, em homenagem ao falecido Padre Ticão, um dos maiores ativistas pela educação canábica no Brasil.



Com patrocínio exclusivo da USA Hemp Brasil, uma empresa de uma família brasileira cheia de mulheres incríveis sediada nos Estados Unidos, e que apresenta esta edição do Weed News, a jornada de conteúdo vai se aprofundar nas patologias mais pesquisadas pelo público feminino no Google.


No sábado, 2 de abril, às 15h, será realizado um workshop gratuito sobre saúde feminina e Cannabis, feito pela Xah com Mariaz e a USA Hemp Brasil, com a Dra Amanda Medeiros Dias, que mescla a medicina com aromaterapia e cromoterapia, com foco na visão holística do paciente, ela é prescritora e paciente de cannabis medicinal. Diretora técnica no Instituto Coração Valente e médica voluntária em projetos da Unidos pela Amazônia.


Na atividade, as mulheres vão entender melhor as interações da cannabis no aparelho reprodutor feminino, além de compreender mais sobre dosagens e formatos de aplicação e uso.


Clique AQUI para se inscrever no workshop!


PATROCÍNIO

- Instagram: @usahempbrasil

-Site: USA Hemp Brasil -YouTube: USA Hemp Brasil








110 views0 comments

Recent Posts

See All